terça-feira, 21 de março de 2017

Alface e a fineza dos livros


       


          Também não entendo por que motivo os alunos andam a transportar diariamente vários quilos de livros para a escola, se alguns deles nem sequer chegam a ser abertos no decorrer das aulas. Gastam-se centenas de euros (eu cheguei a despender, cada Setembro, 600 euros em livros e em materiais escolares no tempo em que os meus três filhos eram alunos) para transformar as crianças em carregadoras de saberes profundos sem, por vezes, fazerem ideia do que andam a transportar. O problema é que não é responsabilidade das escolas e dos professores dar a volta à questão. Há interesses extraordinários metidos na coisa que continuarão a fazer com que as editoras e o ministério, os autores de manuais e as editoras, o ministério e os autores de manuais queiram manter esta estrutura que vai acabar por esgotar as já parcas bolsas da maioria dos pais que, ainda por cima, estão assim a colaborar para que os filhos possam vir a ter problemas de saúde ao nível da coluna vertebral… que é onde assenta o crânio (que tem dentro um cérebro.)
           Alface, pela espessura dos livros que nos deixou, havia de concordar comigo. Tamanho não é sinónimo de qualidade e este escritor montemorense, falecido há 10 anos e homenageado no passado dia 8 de Março nos Paços do Concelho da sua terra, conseguiu provar com os seus textos narrativos que basta uma única frase, escrita com saber e inteligência, como só ele sabia, para pesar mais do que os cinco ou seis manuais escolares que os miúdos levam hoje, diariamente, para a escola.
      Tenho a certeza de que para este escultor da palavra, mordaz, satírico, contundente e literariamente livre, bastaria uma leve sebenta, dobrada ao meio e enfiada no bolso de trás das calças para poder ser o mais sábio dos alunos e ser hoje o mais descontraído dos mestres.  

João Luís Nabo

In "O Montemorense", Março de 2017

quinta-feira, 16 de março de 2017

TPCs? Nem sempre, obrigado








Todos os meses são bons para discutir o tema que se tem avolumado em cima das secretárias dos professores e sobre as mesas de trabalho na casa de cada aluno. Os trabalhos de casa andam na ordem do dia. Se concordo com os tão célebres e badalados TPC’s? Concordaria se prevalecesse o bom senso e houvesse uma articulação entre os docentes, de modo a não prolongarem os longos dias que os alunos passam na escola em mais duas, três ou quatro horas de ocupação intelectual, em casa, envolvendo pais, tios, avós e explicadores. 

É por isso que eu, no exercício da minha profissão, muito raramente (quase nunca) mando trabalhos para casa. Porquê? Porque os alunos têm de gozar momentos de pausa e descontracção, quer sozinhos, quer com os amigos e com a família e porque nunca sei quem é que vou ter de avaliar nestas circunstâncias: se o aluno, se o pai, se a mãe, se ambos, se a avó ou até mesmo se o primo afastado, poeta de longo curso, acabadinho de regressar de Espanha, depois de umas férias merecidas em Benidorm.

João Luís Nabo  (In "O Montemorense", Março de 2017)

quarta-feira, 15 de março de 2017

Ai, Março, Março!




          O mês de Março é, aparentemente, um mês morto. É assim uma espécie de “toma lá calma e não te enerves, que isto há-de passar”, um mês de fazer favor que nos deixa mergulhados numa espera e num ansiar por outros dias com mais luz. Março, outrora dedicado ao deus romano da guerra e da agricultura, é hoje apenas o terceiro mês deste calendário que nos obriga a um intervalo entre a noite e o dia, entre a sombra e a luz, que nos arrasta nestas horas que não são invernosas nem primaveris, num limbo demasiado longo onde as almas aguardam, nem sempre serenamente, a libertação.
Essa virá com os dias que se avizinham, uns de Paixão e Morte, outros de Ressurreição e Esperança, outros sem coisa nenhuma que se pareça, mas, ainda assim, cumpridores do calendário dos homens e da natureza. Poupa-se luz, poupa-se gás, poupa-se a alma e o pensamento e os psiquiatras ficam mais libertos para irem à pesca. É por isso que gosto muito mais do que vem depois.


João Luís Nabo
In "O Montemorense", Março, 2017

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal