terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Celebrações II




Cada um de nós vai tendo, com o decorrer dos anos, dias certos de celebração ou de saudade. Cada um saberá dos seus e conhecerá a melhor forma de invocar memórias e de elevar um pouco mais o pensamento em direcção a um espaço que não se descreve e que se situa exactamente dentro de nós. Recordar amores passados, com um sorriso nostálgico mas não saudosista; pensar nos que partiram antes de nós, gravando no nosso ADN o Dia e a Hora da despedida; recuperar, com sofreguidão, os verões da nossa juventude, onde tudo era simples, claro e natural; recuar até à infância, lugar eterno onde os nossos pais nunca envelheciam e os nossos avós ficavam cristalizados nas nossas carícias e nos nossos abraços.
Acreditar, enfim, que as celebrações mais importantes não são as que dão lucro ou as que nos permitem ostentar materialmente o nosso poder perante o nosso semelhante. E há tantas, a maioria “decretadas” pelo Estado ou pela(s) Igreja(s)… Contudo, as intocáveis, as incorruptíveis, as mais sagradas são as nossas, as que não partilhamos abertamente porque impossíveis de exibir, as que nos permitem ficar, recatadamente, um pouco mais próximos do verdadeiro sentido da existência. Porque todos temos um passado. E porque ninguém é uma ilha.

João Luís Nabo

In "O Montemorense", Fevereiro de 2017

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Valentim


Começo estes rabiscos exactamente à meia-noite e um minuto do dia 14 de Fevereiro. E nem por um segundo senti qualquer diferença. Dizem que é o Dia dos Namorados. Nada contra. Nem contra este dia nem contra todos os outros que se celebram, uns a propósito, outros a esmo, sem fundamento nem mais-valias. Mas é bonito fazer-se uma festa, seja por que motivo for.
O que me aborrece com esta e outras celebrações é que muitas entram em campos tão vastos que nós nunca sabemos se devemos ou não celebrar aquilo que alguém nos “obriga” a celebrar. Não sei se todos os casais de namorados vão celebrar este dia da mesma maneira: com flores, bombons, beijinhos e um jantar diferente, protegido que está o seu amor por São Valentim, que recordam à luz de uma vela para a ocasião. Ou se alguns desses casais preferem comemorar a sua relação de forma coerente, com mais uns empurrões, umas bofetadas e uns nomes menos românticos à mistura, tal como fazem no decorrer do resto do ano.
Seria bom acabar com esta comemoração? Não. Isso seria afundar negócios de milhões um pouco por todo o mundo, criando ainda mais desemprego e instabilidade. O ideal é que não fosse preciso um dia para comemorarmos o que nos move todos os dias – o amor.

In "O Montemorense", Fevereiro de 2017


Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal