segunda-feira, 22 de maio de 2017

Eu acredito




Já se falou tudo o que havia a falar sobre o Papa Francisco e a sua vinda-relâmpago a Fátima, sobre o Salvador e a sua rápida ascensão ao estrelato por via da sua vitória no Eurofestival, e sobre o desempenho do Benfica após a conquista de quatro campeonatos nacionais in a row. Podemos dizer que regressámos a um passado não muito distante, em que o Estado também se curvava e beijava a mão à Igreja e em que o povo se deleitava com os fados de Amália e vibrava cegamente com o Futebol de Eusébio.
Há, contudo, que perceber a enorme distância, em termos de mentalidades, que vai entre o outrora e o agora. Outrora, Portugal abraçava Fátima, a Canção Nacional e o Futebol, porque a conjuntura socio-política o forçava a isso: não havia outras hipóteses de escolha. Agora, a caminho da terceira década do século XXI, podemos optar e optamos. Sem constrangimentos e sem medos. Se, por um lado, não somos iguais no pensamento e nas atitudes dos nossos antepassados dos anos 50 e 60, também os protagonistas da nossa História Actual são seres humanos diferentes, menos apertados pelo “sistema”, de espírito mais aberto e de olhar bastante mais lúcido.
Francisco é um homem inteligente, sensível e bom. Salvador é um jovem inteligente, sensível e “fora da caixa”, e o Futebol é, afinal, o nosso orgulho de campeões europeus. As pressões que estes “heróis” sofrem por parte dos seus admiradores, dos seus pares ou das hierarquias em que se encontram “encaixados” acabarão por servir tão somente de atenuante para algum erro que possam cometer enquanto vão caminhando por este cada vez mais interessante Passeio da Fama que é, e todos os sabemos, muito mais do que isso.
Entretanto, a auto-estima dos portugueses subiu em flecha. Através da religião, da música e do desporto, a grande maioria de nós já começou a pensar no lema de Barack Obama que o levou à presidência dos Estados Unidos, no já longínquo Janeiro de 2009 de boa memória: “Yes, we can!”. Sim, nós somos capazes. Por causa do Papa Francisco, do Salvador e do Rui Vitória, outros caminhos irão ser desbravados. Eu acredito.



João Luís Nabo, in "O Montemorense", 20 de Maio de 2017

Sem comentários:

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal