quinta-feira, 13 de abril de 2017

O Tempo da Paz


O tempo da Páscoa será o mais dramático e, paradoxalmente, o maior motivo da alegria dos cristãos. A Morte perde o seu sentido mais literal e adquire uma nova dimensão, quando Cristo, crucificado e morto segundo a lei daquele tempo, renasce, inteiro e poderoso, ainda que de forma inexplicável para quem abandonou a fé a favor de um espírito mais científico, focado na lógica e na razão. O que se pretende sublinhar nesta pequena reflexão não é a defesa de quem acredita, muito menos o aplauso aos que se dizem ateus ou mesmo agnósticos. Porque a mensagem fulcral que, desde sempre, me tem enfeitiçado não é a Ressurreição tal como os crentes a assumem. 
O exemplo que retiro deste tempo é a imagem de um Cristo Extraordinário que, renascido, mantém de forma coerente o pensamento e as acções que o tinham transformado num fora-da-lei. Mais do que um regresso à Vida, é um regresso de olhar sereno e espírito tranquilo, é um voltar sem desejos de vingança, de desforra ou de reparação. 
Cristo reaparece pacífico, apaziguador, de mão estendida aos que o mataram. Fora perseguido porque se afirmava diferente. Fora condenado por revelar-se consciente das glórias e misérias do mundo. Fora crucificado por manifestar publicamente a sua defesa pelos mais fracos e a sua tolerância para com os que não pensavam como Ele. Mesmo assim, regressou em paz. 
É esta, para mim, a grande força da Páscoa.

João Luís Nabo

In "O Montemorense", Abril de 2017

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal