quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

A trave e o argueiro


Os anos começam bem para uns e mal para outros. Ainda no tempo das cavernas, altura em que S. Gregório não tinha nascido, os homens e as mulheres não tinham a mesma noção de tempo do que nós, mas também teriam dias melhores e dias piores. Com mais caça ou menos caça. Com melhores ou piores colheitas. Com vidas conjugais calmas ou agitadas. Com mais guerrilhas ou menos guerrilhas pela posse das terras e de alguma gruta assim tipo T5.  Nada mudou, apesar de tudo. Esses tempos eram, também eles, injustos.
2017 é agora mais um momento (breve, muito breve) que se quer sempre renovado, melhorado e, sobretudo, justo. Mas sabemos que não é assim. A vida, desde o tal tempo dos nossos pré-históricos avós, continua a não ser sempre justa e nem sempre temos aquilo que merecemos. No entanto, “navegar é preciso”, como dizia o poeta, e todos, quer tenham fé num Deus, em vários, em nenhum ou apenas em si próprios, têm o direito a uma vida digna e sem sobressaltos. Para isso, basta, às vezes e apenas, que o outro seja respeitado nas suas opções, nas suas diferenças, nas suas limitações ou nas suas capacidades. A nossa maior limitação é, de facto, não vermos como todos, de uma forma ou de outra, somos, tantas vezes, tão limitados.
Citando um autor famoso chamado Mateus, São Mateus, que eu leio de vez em quando, “Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então verás claramente para tirar o argueiro do olho do teu irmão.” (7:5)

Bom Ano Novo.


João Luís Nabo

In "O Montemorense", Janeiro de 2017

Sem comentários:

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal