quinta-feira, 13 de abril de 2017

O Tempo da Paz


O tempo da Páscoa será o mais dramático e, paradoxalmente, o maior motivo da alegria dos cristãos. A Morte perde o seu sentido mais literal e adquire uma nova dimensão, quando Cristo, crucificado e morto segundo a lei daquele tempo, renasce, inteiro e poderoso, ainda que de forma inexplicável para quem abandonou a fé a favor de um espírito mais científico, focado na lógica e na razão. O que se pretende sublinhar nesta pequena reflexão não é a defesa de quem acredita, muito menos o aplauso aos que se dizem ateus ou mesmo agnósticos. Porque a mensagem fulcral que, desde sempre, me tem enfeitiçado não é a Ressurreição tal como os crentes a assumem. 
O exemplo que retiro deste tempo é a imagem de um Cristo Extraordinário que, renascido, mantém de forma coerente o pensamento e as acções que o tinham transformado num fora-da-lei. Mais do que um regresso à Vida, é um regresso de olhar sereno e espírito tranquilo, é um voltar sem desejos de vingança, de desforra ou de reparação. 
Cristo reaparece pacífico, apaziguador, de mão estendida aos que o mataram. Fora perseguido porque se afirmava diferente. Fora condenado por revelar-se consciente das glórias e misérias do mundo. Fora crucificado por manifestar publicamente a sua defesa pelos mais fracos e a sua tolerância para com os que não pensavam como Ele. Mesmo assim, regressou em paz. 
É esta, para mim, a grande força da Páscoa.

João Luís Nabo

In "O Montemorense", Abril de 2017

terça-feira, 21 de março de 2017

Alface e a fineza dos livros


       


          Também não entendo por que motivo os alunos andam a transportar diariamente vários quilos de livros para a escola, se alguns deles nem sequer chegam a ser abertos no decorrer das aulas. Gastam-se centenas de euros (eu cheguei a despender, cada Setembro, 600 euros em livros e em materiais escolares no tempo em que os meus três filhos eram alunos) para transformar as crianças em carregadoras de saberes profundos sem, por vezes, fazerem ideia do que andam a transportar. O problema é que não é responsabilidade das escolas e dos professores dar a volta à questão. Há interesses extraordinários metidos na coisa que continuarão a fazer com que as editoras e o ministério, os autores de manuais e as editoras, o ministério e os autores de manuais queiram manter esta estrutura que vai acabar por esgotar as já parcas bolsas da maioria dos pais que, ainda por cima, estão assim a colaborar para que os filhos possam vir a ter problemas de saúde ao nível da coluna vertebral… que é onde assenta o crânio (que tem dentro um cérebro.)
           Alface, pela espessura dos livros que nos deixou, havia de concordar comigo. Tamanho não é sinónimo de qualidade e este escritor montemorense, falecido há 10 anos e homenageado no passado dia 8 de Março nos Paços do Concelho da sua terra, conseguiu provar com os seus textos narrativos que basta uma única frase, escrita com saber e inteligência, como só ele sabia, para pesar mais do que os cinco ou seis manuais escolares que os miúdos levam hoje, diariamente, para a escola.
      Tenho a certeza de que para este escultor da palavra, mordaz, satírico, contundente e literariamente livre, bastaria uma leve sebenta, dobrada ao meio e enfiada no bolso de trás das calças para poder ser o mais sábio dos alunos e ser hoje o mais descontraído dos mestres.  

João Luís Nabo

In "O Montemorense", Março de 2017

quinta-feira, 16 de março de 2017

TPCs? Nem sempre, obrigado








Todos os meses são bons para discutir o tema que se tem avolumado em cima das secretárias dos professores e sobre as mesas de trabalho na casa de cada aluno. Os trabalhos de casa andam na ordem do dia. Se concordo com os tão célebres e badalados TPC’s? Concordaria se prevalecesse o bom senso e houvesse uma articulação entre os docentes, de modo a não prolongarem os longos dias que os alunos passam na escola em mais duas, três ou quatro horas de ocupação intelectual, em casa, envolvendo pais, tios, avós e explicadores. 

É por isso que eu, no exercício da minha profissão, muito raramente (quase nunca) mando trabalhos para casa. Porquê? Porque os alunos têm de gozar momentos de pausa e descontracção, quer sozinhos, quer com os amigos e com a família e porque nunca sei quem é que vou ter de avaliar nestas circunstâncias: se o aluno, se o pai, se a mãe, se ambos, se a avó ou até mesmo se o primo afastado, poeta de longo curso, acabadinho de regressar de Espanha, depois de umas férias merecidas em Benidorm.

João Luís Nabo  (In "O Montemorense", Março de 2017)

quarta-feira, 15 de março de 2017

Ai, Março, Março!




          O mês de Março é, aparentemente, um mês morto. É assim uma espécie de “toma lá calma e não te enerves, que isto há-de passar”, um mês de fazer favor que nos deixa mergulhados numa espera e num ansiar por outros dias com mais luz. Março, outrora dedicado ao deus romano da guerra e da agricultura, é hoje apenas o terceiro mês deste calendário que nos obriga a um intervalo entre a noite e o dia, entre a sombra e a luz, que nos arrasta nestas horas que não são invernosas nem primaveris, num limbo demasiado longo onde as almas aguardam, nem sempre serenamente, a libertação.
Essa virá com os dias que se avizinham, uns de Paixão e Morte, outros de Ressurreição e Esperança, outros sem coisa nenhuma que se pareça, mas, ainda assim, cumpridores do calendário dos homens e da natureza. Poupa-se luz, poupa-se gás, poupa-se a alma e o pensamento e os psiquiatras ficam mais libertos para irem à pesca. É por isso que gosto muito mais do que vem depois.


João Luís Nabo
In "O Montemorense", Março, 2017

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Celebrações II




Cada um de nós vai tendo, com o decorrer dos anos, dias certos de celebração ou de saudade. Cada um saberá dos seus e conhecerá a melhor forma de invocar memórias e de elevar um pouco mais o pensamento em direcção a um espaço que não se descreve e que se situa exactamente dentro de nós. Recordar amores passados, com um sorriso nostálgico mas não saudosista; pensar nos que partiram antes de nós, gravando no nosso ADN o Dia e a Hora da despedida; recuperar, com sofreguidão, os verões da nossa juventude, onde tudo era simples, claro e natural; recuar até à infância, lugar eterno onde os nossos pais nunca envelheciam e os nossos avós ficavam cristalizados nas nossas carícias e nos nossos abraços.
Acreditar, enfim, que as celebrações mais importantes não são as que dão lucro ou as que nos permitem ostentar materialmente o nosso poder perante o nosso semelhante. E há tantas, a maioria “decretadas” pelo Estado ou pela(s) Igreja(s)… Contudo, as intocáveis, as incorruptíveis, as mais sagradas são as nossas, as que não partilhamos abertamente porque impossíveis de exibir, as que nos permitem ficar, recatadamente, um pouco mais próximos do verdadeiro sentido da existência. Porque todos temos um passado. E porque ninguém é uma ilha.

João Luís Nabo

In "O Montemorense", Fevereiro de 2017

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Valentim


Começo estes rabiscos exactamente à meia-noite e um minuto do dia 14 de Fevereiro. E nem por um segundo senti qualquer diferença. Dizem que é o Dia dos Namorados. Nada contra. Nem contra este dia nem contra todos os outros que se celebram, uns a propósito, outros a esmo, sem fundamento nem mais-valias. Mas é bonito fazer-se uma festa, seja por que motivo for.
O que me aborrece com esta e outras celebrações é que muitas entram em campos tão vastos que nós nunca sabemos se devemos ou não celebrar aquilo que alguém nos “obriga” a celebrar. Não sei se todos os casais de namorados vão celebrar este dia da mesma maneira: com flores, bombons, beijinhos e um jantar diferente, protegido que está o seu amor por São Valentim, que recordam à luz de uma vela para a ocasião. Ou se alguns desses casais preferem comemorar a sua relação de forma coerente, com mais uns empurrões, umas bofetadas e uns nomes menos românticos à mistura, tal como fazem no decorrer do resto do ano.
Seria bom acabar com esta comemoração? Não. Isso seria afundar negócios de milhões um pouco por todo o mundo, criando ainda mais desemprego e instabilidade. O ideal é que não fosse preciso um dia para comemorarmos o que nos move todos os dias – o amor.

In "O Montemorense", Fevereiro de 2017


quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

A trave e o argueiro


Os anos começam bem para uns e mal para outros. Ainda no tempo das cavernas, altura em que S. Gregório não tinha nascido, os homens e as mulheres não tinham a mesma noção de tempo do que nós, mas também teriam dias melhores e dias piores. Com mais caça ou menos caça. Com melhores ou piores colheitas. Com vidas conjugais calmas ou agitadas. Com mais guerrilhas ou menos guerrilhas pela posse das terras e de alguma gruta assim tipo T5.  Nada mudou, apesar de tudo. Esses tempos eram, também eles, injustos.
2017 é agora mais um momento (breve, muito breve) que se quer sempre renovado, melhorado e, sobretudo, justo. Mas sabemos que não é assim. A vida, desde o tal tempo dos nossos pré-históricos avós, continua a não ser sempre justa e nem sempre temos aquilo que merecemos. No entanto, “navegar é preciso”, como dizia o poeta, e todos, quer tenham fé num Deus, em vários, em nenhum ou apenas em si próprios, têm o direito a uma vida digna e sem sobressaltos. Para isso, basta, às vezes e apenas, que o outro seja respeitado nas suas opções, nas suas diferenças, nas suas limitações ou nas suas capacidades. A nossa maior limitação é, de facto, não vermos como todos, de uma forma ou de outra, somos, tantas vezes, tão limitados.
Citando um autor famoso chamado Mateus, São Mateus, que eu leio de vez em quando, “Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então verás claramente para tirar o argueiro do olho do teu irmão.” (7:5)

Bom Ano Novo.


João Luís Nabo

In "O Montemorense", Janeiro de 2017

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Sejamos Sábios



           É o tema do momento. Incontornável e motivo de comentários, favoráveis na sua grande maioria, que demonstram que ainda existe em nós o velho bairrismo que parecia estar a desvanecer-se aos poucos. Montemor, que eu escolhi para palco das minhas histórias em livro, mas com o nome de Vila Nova, já merecia ser o cenário de uma produção como “O Sábio”, a novela a passar presentemente na RTP1.
Embora sensível à função estética de qualquer obra de arte ou performativa, não terei conhecimentos suficientes para analisar a questão em termos técnicos ou artísticos, e não foram essas as questões que motivaram este texto. No entanto, não fiquei insensível nem ao genérico da novela, nem aos exteriores, centrados em magníficas imagens do Castelo, da Cidade e de outros pontos conhecidos (Barragem dos Minutos, Herdade da Comenda do Coelho, Cromeleque dos Almendres) que nos deixam sempre com um aperto na garganta.
Mas não é esse o maior gozo de todos: o maior gozo de todos é quando ouço as personagens a falarem de Montemor como se fossem mesmo de cá, como se estivessem, tal como nós, profundamente apaixonados (ou não) por todos os encantos desta terra. É, muitas vezes, esta magia que a literatura e o cinema têm que é o de poderem misturar a realidade com a ficção, ficando nós, quantas vezes, sem sabermos onde começa uma e acaba a outra. E, na nossa imaginação, sempre a mil, ainda pensamos ser possível darmos de caras com o recém-regressado Pedro Homem, com o bondoso Tio Jacinto, a Sofia, confusa e à procura do seu rumo, ou o Raúl e a Cremilde da sede dos pescadores.

Então, há que aproveitar esta oportunidade, única e sem precedentes, de termos Montemor-o-Novo a ser visto quase diariamente no mundo inteiro. Torna-se urgente tirar partido da força e do poder da televisão e, agarrados a esta obra de ficção, procurar atrair gente à cidade e ao concelho, porque precisamos de mais movimento, de mais gente, de mais turistas, de mais habitantes, de mais capital, de mais compras e de mais vendas.
Por isso, quero ter a certeza de que, muito em breve, o executivo camarário vai iniciar (se não o fez já) uma série de acções estratégicas, concertadas não só com as agências de viagens, companhias turísticas, marcas de produtos e serviços, entre outros eventuais interessados, mas também, e sobretudo, com empresas, restaurantes, pastelarias, hotéis, pensões, associações culturais e desportivas da cidade e do concelho. Podemos deixar de ser um local de passagem para nos transformarmos num espaço que, dado a conhecer pela caixa mágica, se transformará num polo atractivo, com muita gente a querer passar por cá e visitar as maravilhas que nós cá temos e que tantos e tantos desconhecem. E quem vem demora-se, come, dorme, faz compras. E pode até decidir cá viver. Não podemos ter medo de quem nos pode dar a mão em termos económicos e humanos. Não podemos fechar Montemor ao mundo. Aproveitemos a oportunidade. É agora ou nunca.
Obrigado RTP. Obrigado Câmara Municipal. Obrigado Rui Chapa. Sem ti, o protagonista teria morrido e a novela não teria qualquer sentido.


João Luís Nabo

In "O Montemorense", Janeiro de 2017

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal