quarta-feira, 22 de junho de 2016

Sangria é o meu nome do meio (confessa a fofa)




Montemor vai entrar em modo de Verão. Bares e restaurantes já começaram a montar as esplanadas e já se fizeram as encomendas para as sardinhadas que aí vêm, regadas com boa sangria e com ainda melhor disposição. A fofa tornou-se ultimamente uma adepta fervorosa da sangria e já me prometeu um périplo pela cidade, assim numa espécie de prova científica que, tenho a certeza, vai acabar menos bem. Mas, depois de um ano de trabalho arrasador, ela bem merece umas distracções gastronómicas, pretexto para reencontrarmos amigos, trocarmos ideias sobre tudo e sobre nada e dar umas boas gargalhadas, tendo sempre por cenário a noite montemorense, momento ideal e imperdível para se tirarem as máscaras profissionais, sociais, políticas, académicas e burocráticas. Porque à noite não é necessário fazer teatro, porque tudo é mais fácil e porque as pessoas são mais simpáticas. Montemor vai, por isso, ter de arranjar entretenga para os montemorenses, e outros apaixonados pela nossa cidade, que decidam passar por cá os meses de Verão. Porque são estes que vão investir na economia local. E dinheiro gera dinheiro. E o dinheiro dá mesmo felicidade, por muito que alguns finjam acreditar no contrário.

In "O Montemorense", Junho de2016

terça-feira, 21 de junho de 2016

Marcelo & Costa, Inc.



Marcelo Rebelo de Sousa não poderia ter encontrado melhor momento para se lançar ainda com mais entusiasmo nos braços dos portugueses: a coincidência deste 10 de Junho com o início do Europeu em França. O saber aproveitar esta oportunidade só revela inteligência e uma enorme capacidade de antecipação. Por outro lado, Costa também não se distraiu. Este adora Marcelo porque pode, estando coladinho a ele, ganhar pontos e começar a ser visto, não como um primeiro-ministro que trocou as voltas à democracia (Costa não ganhou a maioria nas últimas legislativas, ainda supervisionadas por um Cavaco a cair de gasto), mas como uma alternativa às ditas políticas de direita e de centro-direita (se é que isso existe) levadas a cabo pelo anterior executivo.
Nos discursos do Dia de Portugal, no Terreiro do Paço, o Povo foi a tónica do Presidente da República. O Povo. Essa massa anónima que conquistou a liberdade para o país em muitos momentos difíceis da sua História, quantas vezes com o sacrifício da própria vida e sem o auxílio “das elites”.
Em Paris, nesse mesmo dia, foram elevados a heróis por Marcelo os que, fugindo da fome, da guerra do Ultramar ou do desemprego de um Portugal cinzento e parado nos anos 50 e 60, escolheram a França como segunda pátria onde refizeram a vida e deitaram semente.
Quando, em 1572, Camões elevou o povo português, glorificando a coragem e a determinação de todos quantos desbravavam mares e terras em nome de Deus e da Pátria, nunca imaginou que, quase seiscentos anos mais tarde, a obra épica mais famosa da nossa literatura, escrita por si, fosse reeditada numa versão pós-moderna mas, ainda assim, convincente e igualmente aplaudida. A condecoração dos soldados que combateram em África e das emigrantes que salvaram a vida a centenas de pessoas nos atentados de Paris, no passado mês de Novembro, foi a marca da diferença e a face visível dos discursos de Marcelo, tão distintas dos gestos “de regime” e das palavras mais do que mastigadas do seu antecessor.
Também hoje continuam a tentar fazer a vida “lá fora” milhares de portugueses, estes muito jovens e com formação académica superior, que, tal como os seus predecessores, não têm como sobreviver num país, agora menos cinzento mas com enormes problemas estruturais e de justiça social e que os expulsa depois de ter gasto com eles milhões de euros nas suas formações universitárias. Marcelo também deveria ter falado nisto.

Os gestos e as palavras em sintonia de Costa e Marcelo, neste momento de aparente viragem, ainda que possam vir a durar pouco, são fundamentais para que o país recupere a confiança que outros Governos lhe roubaram. Não sabemos quanto tempo vai durar esta valsa, elegante e romântica, olhos nos olhos e sorrisos abertos, mas enquanto durar é bem possível que a autoestima dos portugueses fique mais fortalecida e que, quando Passos Coelho quiser regressar, aqueles lhe saibam dizer com quantos paus de faz uma nau quinhentista.

In "O Montemorense", Junho de 2016

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal