segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Estudantes Seniores


Foto: Conceição Carneiro

Não se tem falado por aí além de um grupo que ultrapassou já as paredes onde germinou e que é hoje um fenómeno sócio-cultural com raízes e que não deixa ninguém indiferente. A Universidade Sénior do Grupo dos Amigos de Montemor, que teve início há mais de uma década com o nome de Estudos Gerais, é, nos dias que correm e no panorama cultural da cidade, muito mais do que a soma dos elementos que a formam.
Porque tenho lá muitos amigos, professores e alunos, sei da pureza dos seus objectivos e da riqueza das suas intenções. O partilhar de experiências de vida, a aprendizagem nos mais diversos campos do saber (História, Património, Literatura Portuguesa, Teatro, Música…) e o sentido que tudo isto continua a dar à existência de cada um deles substitui, de forma inteligente e prática, a velha ideia de que os mais velhos nada mais podem aprender e, pensamento ainda mais grave mas que continua a arrastar multidões, nada vale a pena depois de uma certa idade.
Não serve este pequeno apontamento para listar as dezenas de actividades em que a Universidade Sénior se envolve, cruzando os seus saberes com outras instituições da cidade e de outros pontos do país, mas há que destacar os elementos da Tuna que, ao dividirem em dois os seus afazeres, conseguem representar peças de teatro de alguma complexidade e cantar afinadamente, com graça e brilho, nos concerto em que participa.
Não sei de forma concreta, nem poderei saber, o que poderão sentir esses alunos/actores/cantores/músicos/construtores de instrumentos, quando fazem tão bem o que nos mostram. Mas calculo que, depois de cada aula, de cada concerto ou récita, se sentem mais felizes, cultural e socialmente mais úteis e motivo de orgulho para os amigos, filhos e netos que os aplaudem generosamente. Sim, depois de certa idade é tempo de sermos pais cada vez mais presentes, avós imprescindíveis, maridos e mulheres de uma vida. Porque os novos tempos isso exigem. Mas também é tempo de reviver, de recuperar, de renascer, de afastar o que nos preocupa, num processo contínuo e sem fim. E é isso, sobretudo isso, que faz correr Vítor Guita e os outros professores que com ele formam equipa, disponíveis, preocupados, conscientes, pedagogos q.b. e orgulhosos dos frutos da sua obra.
         Querem saber os motivos desta minha admiração por todos eles? Se não tivesse, porventura, chegado há muito tempo a essa conclusão, bastaria a extraordinária participação do grupo na mais recente encenação de Vítor Guita do “Novo Entremez”, de Curvo Semedo, para perceber que a vida das pessoas não termina com a aposentação. Muitas vezes, é aí que ela recomeça.
O importante, dizia alguém, não é a meta, é o caminho até lá… Neste caso concreto, acreditem, é tudo importante, sobretudo o Amor. Pelas Pessoas, pelo Saber, pela Arte.

In "O Montemorense", Outubro, 2016

1 comentário:

Pedro Vieira disse...

Estamos perante estudantes que para além de aprenderem, continuam a dar-me muitas lições de vida, em especial a minha Mãe, que muito me orgulha pela sua presença perseverante neste grupo e pela sua alegria de viver que me contagia.
Pedro

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal