quarta-feira, 18 de maio de 2016

Os dias do fim


Iniciámos há pouco a última etapa escolar. A menos de um mês do final do ano lectivo, tornam-se agora mais visíveis as preocupações dos alunos com o aproximar dos últimos dias. (É todos os anos assim, sem excepção.) Claro que essas preocupações são legítimas e têm razão de ser, mas a tensão e a angústia seriam menores se, muitos meses antes, o estatuto de estudante tivesse sido encarado como uma profissão mais séria e importante. Claro que não se deve confundir a árvore com a floresta e todos sabemos que há alunos (e pais) que se preocupam, desde o primeiro momento, com os resultados e com a necessária aquisição de conhecimentos para que aqueles possam ser os melhores possíveis. Outros há (e não são assim tão poucos) que começam agora a olhar para o calendário e que procuram fazer num mês o que não conseguiram em oito. Sorrio perante este exercício, quantas vezes inglório, mas que seria evitável se esse esforço tivesse sido distribuído no decorrer do ano lectivo. Contudo, por muito que os professores e os pais insistam nessa questão, muitos jovens vêem na escola apenas um pretexto para sair de casa, para passar umas horas a trocar mensagens, a jogar nos computadores da Biblioteca ou como mero centro de convívio de quem não tem mais nada para fazer. É pena. Porque Portugal vai continuar à espera da geração certa. E nós queremos que seja esta. Mas com uma atitude diferente. Antes que seja tarde.

Sem comentários:

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal