domingo, 28 de julho de 2013

Não pode ir? Nem sabe o que vai perder !!!

 

terça-feira, 16 de julho de 2013

A Skate display - João Conceição



O João Conceição, de Montemor-o-Novo a anda a brincar com coisas sérias. Ora vejam lá a sensibilidade "cinematográfica" do puto. E podem ver mais em
https://www.facebook.com/JoaoConceicaostudios?fref=ts

Temos aqui um caso sério.

Déjà-vu?




        Num Portugal desconjuntado e atirado para a valeta pelos anos difíceis da I República, foi fácil concretizar o golpe de 28 de Maio de 1926, que viria a dar origem ao Estado Novo, em 1933. Para resolver a grave crise social e financeira de então, o presidente da república eleito, em 1928, em lista única (que absurdo), General Óscar Carmona, chamou Oliveira Salazar para a pasta das Finanças. O professor de Coimbra não perdeu tempo e lançou sobre os portugueses uma austeridade sem precedentes, com uma redução das contas públicas e um “colossal” aumento de impostos. De salvador da pátria a ditador insensível, controlador e intransigente, foi um pequeno passo, o primeiro, contudo, de uma longa caminhada de censura, tortura, cultivo da ignorância e controlo total da vida dos portugueses, que viria a terminar a 25 de Abril de 1974.
O Governo de Salvação Nacional, solicitado por Cavaco Silva no passo dia 10, rima de forma terrível com a União Nacional de triste memória Se a coisa ficasse apenas por esta questão “(in)estética”, nada de grave me ocorreria. O meu receio é que os acontecimentos se repitam. E, por aquilo que tenho lido, ouvido e aprendido com quem sabe destas coisas, a História tende mesmo a repetir-se, ainda que noutras circunstâncias e contextos. É isso que me assusta. E o pior é que, quando os portugueses derem por tal, será tarde de mais.
Ah! É verdade! Iznogoud é um nome formado a partir da expressão inglesa “is no good”, - não presta para nada, em português de Portugal.


domingo, 14 de julho de 2013

Oh, Sebastião: a galope!





Achei brilhante o golpe palaciano de P. Portas no início de Julho. Achei inacreditável como P. Coelho cedeu a esta chantagem. Só falta saber que palavras lhe disse Portas para que ele tivesse quebrado com aquela aparente facilidade. Ou também podemos pôr a questão ao contrário: o que terá dito Passos a Portas para o levar a mudar de ideias, depois daquele irrevogável pedido de demissão? Terão os submarinos, tema ainda por esclarecer, vindo à superfície num ponto ou outro da discussão?
O país está um verdadeiro caos político e social. De tal forma sentimos as instituições, os nossos direitos e a constituição desrespeitados, que esperamos todos os dias por um D. Sebastião que salve o país e nos traga alguma paz e sossego. Mas precisaria de pôr o seu corcel branco a galope. Caso contrário será tarde demais. Renovou-se o mito do Encoberto e do Quinto Império que Fernando Pessoa tão febrilmente reinventou na sua Mensagem. Mas tudo o que se passa agora neste país de gente ilustre ultrapassa a literatura e a mística pessoana. Na verdade, e analisadas as situações já vividas, noutros tempos, por Portugal e por outros países europeus – Alemanha, Itália, Espanha – estão criadas as condições necessárias para o regresso de uma ditadura. 



quinta-feira, 11 de julho de 2013

Eu quero ser...








Não sei como começar a escrever aquilo que me vai na cabeça. Porque os últimos dias têm sido alucinantes, com abanões constantes, declarações surpreendentes que mais não passaram de insultos à inteligência e ao esforço de muitos portugueses. Olhem, não sabendo como começar, vou começar assim:
Iznogoud é uma famosa personagem da banda desenhada belga. É um Grão-Vizir que procura por todos os meios ser Califa em vez do Califa. Não foi inspirado em Paulo Portas, porque quando a personagem foi criada, em 1962, Portas tinha acabado de nascer, era pequenino e René Goscinny e Jean Tabary não faziam ideia quem era aquele futuro político, brilhante, manhoso, maquiavélico e combativo. Mas poderiam ter sacado dele alguma inspiração. Tal como o boneco de traço francês, também Portas tem vindo, aos poucos, conquistado terreno para, mais tarde ou mais cedo, vir a ser primeiro-ministro em vez do primeiro-ministro.
Provavelmente, quando estiverem a ler este pequeno texto, já Paulo Iznogoud Portas conseguiu cumprir o seu desiderato: ser primeiro-ministro após a demissão voluntária de Passos Coelho.

O Presidente da República decidiu, então, manter, não um casamento a dois, mas uma união a três, cada qual mais casmurro, teimoso do que outro, todos eles crispados, birrentos, sem futuro conjunto, adiando teimosamente o inadiável. O Partido Socialista, o Partido Social Democrata e o Centro Democrático Social nunca se entenderam em quase 40 anos de democracia. Não é agora que vão entender-se. A História recente do nosso país foi isso que nos ensinou. Só um anjinho poderia acreditar nessa tão remota possibilidade.

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal