quarta-feira, 24 de maio de 2017

Só para inglês ver



Começaram a mexer. Os políticos da terrinha já apresentaram os candidatos, estes, por sua vez, irão apresentar a sua equipa de trabalho para, depois, se submeterem ao escrutínio dos munícipes. Independentemente do vencedor, o importante é que Montemor saia a vencer. Que não se façam promessas agora para que o seu cumprimento seja atirado para as calendas gregas. Que não se prometa o que não se pode cumprir.
Há uma realidade incontornável e com ela me vou, de credo na boca, a pensar no meu votozinho: Montemor precisa de incentivos ao comércio e à indústria. Montemor precisa de mais incentivos ao comércio e à indústria. Montemor precisa de muito mais incentivos ao comércio e à indústria. Comunistas, Social-Democratas, Socialistas, Centristas, olhem para a vossa terra com olhos de ver. Criem. Proponham. Colaborem. Cooperem. Cumpram.
Respeitem-se.

João Luís Nabo, in "O Montemorense", 20 de Maio de 2017

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Eu acredito




Já se falou tudo o que havia a falar sobre o Papa Francisco e a sua vinda-relâmpago a Fátima, sobre o Salvador e a sua rápida ascensão ao estrelato por via da sua vitória no Eurofestival, e sobre o desempenho do Benfica após a conquista de quatro campeonatos nacionais in a row. Podemos dizer que regressámos a um passado não muito distante, em que o Estado também se curvava e beijava a mão à Igreja e em que o povo se deleitava com os fados de Amália e vibrava cegamente com o Futebol de Eusébio.
Há, contudo, que perceber a enorme distância, em termos de mentalidades, que vai entre o outrora e o agora. Outrora, Portugal abraçava Fátima, a Canção Nacional e o Futebol, porque a conjuntura socio-política o forçava a isso: não havia outras hipóteses de escolha. Agora, a caminho da terceira década do século XXI, podemos optar e optamos. Sem constrangimentos e sem medos. Se, por um lado, não somos iguais no pensamento e nas atitudes dos nossos antepassados dos anos 50 e 60, também os protagonistas da nossa História Actual são seres humanos diferentes, menos apertados pelo “sistema”, de espírito mais aberto e de olhar bastante mais lúcido.
Francisco é um homem inteligente, sensível e bom. Salvador é um jovem inteligente, sensível e “fora da caixa”, e o Futebol é, afinal, o nosso orgulho de campeões europeus. As pressões que estes “heróis” sofrem por parte dos seus admiradores, dos seus pares ou das hierarquias em que se encontram “encaixados” acabarão por servir tão somente de atenuante para algum erro que possam cometer enquanto vão caminhando por este cada vez mais interessante Passeio da Fama que é, e todos os sabemos, muito mais do que isso.
Entretanto, a auto-estima dos portugueses subiu em flecha. Através da religião, da música e do desporto, a grande maioria de nós já começou a pensar no lema de Barack Obama que o levou à presidência dos Estados Unidos, no já longínquo Janeiro de 2009 de boa memória: “Yes, we can!”. Sim, nós somos capazes. Por causa do Papa Francisco, do Salvador e do Rui Vitória, outros caminhos irão ser desbravados. Eu acredito.



João Luís Nabo, in "O Montemorense", 20 de Maio de 2017

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Portugal português





O actual sistema de ensino tem tentado levar alunos de 16 e 17 anos a ler alguns autores-chave da literatura portuguesa: Camões, Vieira, Garrett, Camilo, Pessoa, Eça, Saramago, Sttau Monteiro. O actual sistema de ensino quer que os alunos explorem as obras e os autores, de modo a ficarem preparados para os exames finais, onde os examinandos deverão espremer, em duas horas de intenso stress, o que conseguiram aprender desses escritores e das narrativas que os tornaram célebres.
O actual sistema de ensino não pode querer uma coisa impossível de querer. Para atingir esse desiderato da tutela, os alunos deveriam ser possuidores de profundos conhecimentos sobre a História, a Cultura (erudita e popular) a Política e a Religião do seu próprio país, porque foi este país que deu aos escritores em estudo o repositório de onde estes retiraram a matéria dos seus sonhos, para, depois, atirarem para o papel as suas melhores “invenções”.
E os alunos, pelo menos a grande maioria, reconhecem que lhes falta uma base cultural consistente para poderem dominar parte dos conceitos, das temáticas e de um sem-número de referências históricas explícitas, e não menos vezes implícitas, nos romances, nas peças de teatro e na poética desses porta-vozes da nossa vida e do nosso pensamento colectivo. Os estudantes do ensino secundário não devem olhar para um Eça, para um Pessoa ou para um Saramago como indivíduos distantes, estrangeiros e que só estão ali para lhes causar dores de cabeça. A eles e aos professores. Não. Esses e outros autores são tão portugueses como qualquer de nós e viveram no mesmo país que hoje procura, a todo o custo, conquistar uma nova perspectiva do Homem e do Mundo.
Assim, possuindo eles essas “ferramentas” estruturais, fortes e benfazejas, iriam tirar muito mais proveito das leituras que fazem, ou que fingem que fazem, e o próprio gesto de ler tornava-se, ele próprio, agora numa perspectiva de verdadeiros leitores com conhecimentos e pensamento crítico, num prazer maior, de verdadeiro diálogo transtemporal entre o aluno e o escritor.
E depois, não é só o Papa Francisco, o Salvador e o Éder que fazem vibrar multidões. Todos os autores dos programas de Português do Ensino Secundário foram uma pedra no sapato de alguém, uma pedrada no charco lamacento do sistema, seres humanos muito à frente do seu tempo.

João Luís Nabo, in "O Montemorense", Maio de 2017


segunda-feira, 24 de abril de 2017

Tempo de Querer




Montemor vai, à imagem dos outros municípios portugueses, viver mais um ano de autárquicas. E, mais uma vez, os rituais da política vão cumprir-se com poucas ou nenhumas alterações. Ainda que saibamos como é difícil assumir e desempenhar cargos públicos desta dimensão, isso não nos coíbe de manifestar a nossa preocupação, quando pensamos na nossa cidade e no nosso concelho como património político, histórico, social, económico e religioso que queremos deixar aos nossos filhos e netos, isto se eles conseguirem emprego e casa por estas bandas. 

A leitura que faço de algum relaxamento visível na governação local terá por base não a incompetência nem a falta de conhecimento ou de honestidade dos políticos que nos governam desde há quase meio século. O que vislumbro, quando comparo os tempos actuais com outros bem mais interessantes, é, curiosamente, uma atitude com uma tripla face: por um lado, uma gestão que denota cansaço, desgaste e pouca emoção nas palavras e nas obras; por outro, a certeza confortável por parte da Maioria de que há, por enquanto, uma possiblidade, que se pode sempre questionar, de ganhar as próximas eleições sem muito esforço. Finalmente, o terceiro lado da moeda, o terem criado, ao longo de tantos anos, hábitos, rotinas, raciocínios que precisavam de ter evoluido, tal como tudo evolui, com penalizações para quem vai ficando pelo caminho. Isto para não falar na fidelidade que os autarcas mantém ao partido que os elegeu, sempre atento e implacável. 

E a Oposição? Fui sempre crítico em relação à forma como a Oposição faz política. A visão que tanto esta como a Maioria têm da cidade e do concelho tem sido, desde os idos anos 70, diferente, ainda que todos sejam montemorenses e que todos gostem da terra que governam. É esse passado e as mágoas que dele restam que não permite, ainda, uma plataforma de entendimento entre todos os que pretendem, de facto, pôr Montemor na senda do progresso e da prosperidade. 

Um dia, quando nenhum de nós estiver entre os vivos, os nossos netos e bisnetos vão perguntar-se por que motivo os obrigámos a percorrer uma estrada pedregosa, cheia de perigos, sem luz, em direcção ao deserto...


João Luís Nabo
In "O Montemorense", 20 de Abril de 2017

quinta-feira, 13 de abril de 2017

O Tempo da Paz


O tempo da Páscoa será o mais dramático e, paradoxalmente, o maior motivo da alegria dos cristãos. A Morte perde o seu sentido mais literal e adquire uma nova dimensão, quando Cristo, crucificado e morto segundo a lei daquele tempo, renasce, inteiro e poderoso, ainda que de forma inexplicável para quem abandonou a fé a favor de um espírito mais científico, focado na lógica e na razão. O que se pretende sublinhar nesta pequena reflexão não é a defesa de quem acredita, muito menos o aplauso aos que se dizem ateus ou mesmo agnósticos. Porque a mensagem fulcral que, desde sempre, me tem enfeitiçado não é a Ressurreição tal como os crentes a assumem. 
O exemplo que retiro deste tempo é a imagem de um Cristo Extraordinário que, renascido, mantém de forma coerente o pensamento e as acções que o tinham transformado num fora-da-lei. Mais do que um regresso à Vida, é um regresso de olhar sereno e espírito tranquilo, é um voltar sem desejos de vingança, de desforra ou de reparação. 
Cristo reaparece pacífico, apaziguador, de mão estendida aos que o mataram. Fora perseguido porque se afirmava diferente. Fora condenado por revelar-se consciente das glórias e misérias do mundo. Fora crucificado por manifestar publicamente a sua defesa pelos mais fracos e a sua tolerância para com os que não pensavam como Ele. Mesmo assim, regressou em paz. 
É esta, para mim, a grande força da Páscoa.

João Luís Nabo

In "O Montemorense", Abril de 2017

terça-feira, 21 de março de 2017

Alface e a fineza dos livros


       


          Também não entendo por que motivo os alunos andam a transportar diariamente vários quilos de livros para a escola, se alguns deles nem sequer chegam a ser abertos no decorrer das aulas. Gastam-se centenas de euros (eu cheguei a despender, cada Setembro, 600 euros em livros e em materiais escolares no tempo em que os meus três filhos eram alunos) para transformar as crianças em carregadoras de saberes profundos sem, por vezes, fazerem ideia do que andam a transportar. O problema é que não é responsabilidade das escolas e dos professores dar a volta à questão. Há interesses extraordinários metidos na coisa que continuarão a fazer com que as editoras e o ministério, os autores de manuais e as editoras, o ministério e os autores de manuais queiram manter esta estrutura que vai acabar por esgotar as já parcas bolsas da maioria dos pais que, ainda por cima, estão assim a colaborar para que os filhos possam vir a ter problemas de saúde ao nível da coluna vertebral… que é onde assenta o crânio (que tem dentro um cérebro.)
           Alface, pela espessura dos livros que nos deixou, havia de concordar comigo. Tamanho não é sinónimo de qualidade e este escritor montemorense, falecido há 10 anos e homenageado no passado dia 8 de Março nos Paços do Concelho da sua terra, conseguiu provar com os seus textos narrativos que basta uma única frase, escrita com saber e inteligência, como só ele sabia, para pesar mais do que os cinco ou seis manuais escolares que os miúdos levam hoje, diariamente, para a escola.
      Tenho a certeza de que para este escultor da palavra, mordaz, satírico, contundente e literariamente livre, bastaria uma leve sebenta, dobrada ao meio e enfiada no bolso de trás das calças para poder ser o mais sábio dos alunos e ser hoje o mais descontraído dos mestres.  

João Luís Nabo

In "O Montemorense", Março de 2017

quinta-feira, 16 de março de 2017

TPCs? Nem sempre, obrigado








Todos os meses são bons para discutir o tema que se tem avolumado em cima das secretárias dos professores e sobre as mesas de trabalho na casa de cada aluno. Os trabalhos de casa andam na ordem do dia. Se concordo com os tão célebres e badalados TPC’s? Concordaria se prevalecesse o bom senso e houvesse uma articulação entre os docentes, de modo a não prolongarem os longos dias que os alunos passam na escola em mais duas, três ou quatro horas de ocupação intelectual, em casa, envolvendo pais, tios, avós e explicadores. 

É por isso que eu, no exercício da minha profissão, muito raramente (quase nunca) mando trabalhos para casa. Porquê? Porque os alunos têm de gozar momentos de pausa e descontracção, quer sozinhos, quer com os amigos e com a família e porque nunca sei quem é que vou ter de avaliar nestas circunstâncias: se o aluno, se o pai, se a mãe, se ambos, se a avó ou até mesmo se o primo afastado, poeta de longo curso, acabadinho de regressar de Espanha, depois de umas férias merecidas em Benidorm.

João Luís Nabo  (In "O Montemorense", Março de 2017)

quarta-feira, 15 de março de 2017

Ai, Março, Março!




          O mês de Março é, aparentemente, um mês morto. É assim uma espécie de “toma lá calma e não te enerves, que isto há-de passar”, um mês de fazer favor que nos deixa mergulhados numa espera e num ansiar por outros dias com mais luz. Março, outrora dedicado ao deus romano da guerra e da agricultura, é hoje apenas o terceiro mês deste calendário que nos obriga a um intervalo entre a noite e o dia, entre a sombra e a luz, que nos arrasta nestas horas que não são invernosas nem primaveris, num limbo demasiado longo onde as almas aguardam, nem sempre serenamente, a libertação.
Essa virá com os dias que se avizinham, uns de Paixão e Morte, outros de Ressurreição e Esperança, outros sem coisa nenhuma que se pareça, mas, ainda assim, cumpridores do calendário dos homens e da natureza. Poupa-se luz, poupa-se gás, poupa-se a alma e o pensamento e os psiquiatras ficam mais libertos para irem à pesca. É por isso que gosto muito mais do que vem depois.


João Luís Nabo
In "O Montemorense", Março, 2017

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Celebrações II




Cada um de nós vai tendo, com o decorrer dos anos, dias certos de celebração ou de saudade. Cada um saberá dos seus e conhecerá a melhor forma de invocar memórias e de elevar um pouco mais o pensamento em direcção a um espaço que não se descreve e que se situa exactamente dentro de nós. Recordar amores passados, com um sorriso nostálgico mas não saudosista; pensar nos que partiram antes de nós, gravando no nosso ADN o Dia e a Hora da despedida; recuperar, com sofreguidão, os verões da nossa juventude, onde tudo era simples, claro e natural; recuar até à infância, lugar eterno onde os nossos pais nunca envelheciam e os nossos avós ficavam cristalizados nas nossas carícias e nos nossos abraços.
Acreditar, enfim, que as celebrações mais importantes não são as que dão lucro ou as que nos permitem ostentar materialmente o nosso poder perante o nosso semelhante. E há tantas, a maioria “decretadas” pelo Estado ou pela(s) Igreja(s)… Contudo, as intocáveis, as incorruptíveis, as mais sagradas são as nossas, as que não partilhamos abertamente porque impossíveis de exibir, as que nos permitem ficar, recatadamente, um pouco mais próximos do verdadeiro sentido da existência. Porque todos temos um passado. E porque ninguém é uma ilha.

João Luís Nabo

In "O Montemorense", Fevereiro de 2017

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Valentim


Começo estes rabiscos exactamente à meia-noite e um minuto do dia 14 de Fevereiro. E nem por um segundo senti qualquer diferença. Dizem que é o Dia dos Namorados. Nada contra. Nem contra este dia nem contra todos os outros que se celebram, uns a propósito, outros a esmo, sem fundamento nem mais-valias. Mas é bonito fazer-se uma festa, seja por que motivo for.
O que me aborrece com esta e outras celebrações é que muitas entram em campos tão vastos que nós nunca sabemos se devemos ou não celebrar aquilo que alguém nos “obriga” a celebrar. Não sei se todos os casais de namorados vão celebrar este dia da mesma maneira: com flores, bombons, beijinhos e um jantar diferente, protegido que está o seu amor por São Valentim, que recordam à luz de uma vela para a ocasião. Ou se alguns desses casais preferem comemorar a sua relação de forma coerente, com mais uns empurrões, umas bofetadas e uns nomes menos românticos à mistura, tal como fazem no decorrer do resto do ano.
Seria bom acabar com esta comemoração? Não. Isso seria afundar negócios de milhões um pouco por todo o mundo, criando ainda mais desemprego e instabilidade. O ideal é que não fosse preciso um dia para comemorarmos o que nos move todos os dias – o amor.

In "O Montemorense", Fevereiro de 2017


quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

A trave e o argueiro


Os anos começam bem para uns e mal para outros. Ainda no tempo das cavernas, altura em que S. Gregório não tinha nascido, os homens e as mulheres não tinham a mesma noção de tempo do que nós, mas também teriam dias melhores e dias piores. Com mais caça ou menos caça. Com melhores ou piores colheitas. Com vidas conjugais calmas ou agitadas. Com mais guerrilhas ou menos guerrilhas pela posse das terras e de alguma gruta assim tipo T5.  Nada mudou, apesar de tudo. Esses tempos eram, também eles, injustos.
2017 é agora mais um momento (breve, muito breve) que se quer sempre renovado, melhorado e, sobretudo, justo. Mas sabemos que não é assim. A vida, desde o tal tempo dos nossos pré-históricos avós, continua a não ser sempre justa e nem sempre temos aquilo que merecemos. No entanto, “navegar é preciso”, como dizia o poeta, e todos, quer tenham fé num Deus, em vários, em nenhum ou apenas em si próprios, têm o direito a uma vida digna e sem sobressaltos. Para isso, basta, às vezes e apenas, que o outro seja respeitado nas suas opções, nas suas diferenças, nas suas limitações ou nas suas capacidades. A nossa maior limitação é, de facto, não vermos como todos, de uma forma ou de outra, somos, tantas vezes, tão limitados.
Citando um autor famoso chamado Mateus, São Mateus, que eu leio de vez em quando, “Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então verás claramente para tirar o argueiro do olho do teu irmão.” (7:5)

Bom Ano Novo.


João Luís Nabo

In "O Montemorense", Janeiro de 2017

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Sejamos Sábios



           É o tema do momento. Incontornável e motivo de comentários, favoráveis na sua grande maioria, que demonstram que ainda existe em nós o velho bairrismo que parecia estar a desvanecer-se aos poucos. Montemor, que eu escolhi para palco das minhas histórias em livro, mas com o nome de Vila Nova, já merecia ser o cenário de uma produção como “O Sábio”, a novela a passar presentemente na RTP1.
Embora sensível à função estética de qualquer obra de arte ou performativa, não terei conhecimentos suficientes para analisar a questão em termos técnicos ou artísticos, e não foram essas as questões que motivaram este texto. No entanto, não fiquei insensível nem ao genérico da novela, nem aos exteriores, centrados em magníficas imagens do Castelo, da Cidade e de outros pontos conhecidos (Barragem dos Minutos, Herdade da Comenda do Coelho, Cromeleque dos Almendres) que nos deixam sempre com um aperto na garganta.
Mas não é esse o maior gozo de todos: o maior gozo de todos é quando ouço as personagens a falarem de Montemor como se fossem mesmo de cá, como se estivessem, tal como nós, profundamente apaixonados (ou não) por todos os encantos desta terra. É, muitas vezes, esta magia que a literatura e o cinema têm que é o de poderem misturar a realidade com a ficção, ficando nós, quantas vezes, sem sabermos onde começa uma e acaba a outra. E, na nossa imaginação, sempre a mil, ainda pensamos ser possível darmos de caras com o recém-regressado Pedro Homem, com o bondoso Tio Jacinto, a Sofia, confusa e à procura do seu rumo, ou o Raúl e a Cremilde da sede dos pescadores.

Então, há que aproveitar esta oportunidade, única e sem precedentes, de termos Montemor-o-Novo a ser visto quase diariamente no mundo inteiro. Torna-se urgente tirar partido da força e do poder da televisão e, agarrados a esta obra de ficção, procurar atrair gente à cidade e ao concelho, porque precisamos de mais movimento, de mais gente, de mais turistas, de mais habitantes, de mais capital, de mais compras e de mais vendas.
Por isso, quero ter a certeza de que, muito em breve, o executivo camarário vai iniciar (se não o fez já) uma série de acções estratégicas, concertadas não só com as agências de viagens, companhias turísticas, marcas de produtos e serviços, entre outros eventuais interessados, mas também, e sobretudo, com empresas, restaurantes, pastelarias, hotéis, pensões, associações culturais e desportivas da cidade e do concelho. Podemos deixar de ser um local de passagem para nos transformarmos num espaço que, dado a conhecer pela caixa mágica, se transformará num polo atractivo, com muita gente a querer passar por cá e visitar as maravilhas que nós cá temos e que tantos e tantos desconhecem. E quem vem demora-se, come, dorme, faz compras. E pode até decidir cá viver. Não podemos ter medo de quem nos pode dar a mão em termos económicos e humanos. Não podemos fechar Montemor ao mundo. Aproveitemos a oportunidade. É agora ou nunca.
Obrigado RTP. Obrigado Câmara Municipal. Obrigado Rui Chapa. Sem ti, o protagonista teria morrido e a novela não teria qualquer sentido.


João Luís Nabo

In "O Montemorense", Janeiro de 2017

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Ainda a Sogra, querida e eterna




Deixei num dos meus espaços das redes sociais um agradecimento a todos os amigos que nos abraçaram, directa ou indirectamente, pelo falecimento da nossa Mãe, Sogra e Avó, Nita Casadinho, e aproveito também este espaço de liberdade, que me foi oferecido pelo meu amigo Padre Manuel Vieira, vai para uma quinzena de anos, para reescrever o texto que por lá vai ficar mas que se colará para sempre na garganta e no coração de quem sabe amar e respeitar os conceitos e as práticas da família, do respeito e da amizade. É provável que, neste texto que agora inicio, haja uns acrescentos, porque quando escrevemos num dia nunca somos os mesmos quando o fazemos uns dias depois...
As nossas Mães, quando partem, nunca chegam a partir. Há-de haver sempre uma ligação que permanece ao longo de todos os tempos até ao último segundo das nossas vidas. Nascemos delas, estivemos com elas mais tempo, fomos delas mais horas, mais dias, mais meses. Somos sempre os seus meninos, porque, para os nossos Pais, a partir dos 10 anos, já teremos de ser uns homenzinhos... Pois, a nossa Mãe, Sogra, Avó e Amiga despediu-se no Sábado, com a família à sua volta, e todos sentimos, muito secretamente, que o fim estava próximo. E vocês sabem o que isso é: sentir que já não há solução e que nos resta enganarmo-nos a nós próprios e enganar os outros que estão connosco, à espera do suspiro final.

Sentimos que a nossa Mãe Nita, com uma vida cheia de filhos e netos (e uma bisneta quase a nascer) ia partir com alegrias no coração e com mágoas que nunca mais ninguém poderia curar. Mas a nossa Mãe ficou, sobretudo, a saber que o amor que por ela sentimos, e continuaremos a sentir, é maior do que qualquer mágoa, é mais forte do que qualquer dos vendavais que lhe sobressaltaram os dias, mais terno do que todas as nuvens de algodão em tempo de Verão e de dias de Sol brilhante.
Ela foi, nos últimos meses, depois da partida de todos os outros nossos Pais, o nosso ponto de referência, a nossa “matriarca”, a nossa “chefe”, o nosso único Sol e o Sol dos filhos e dos netos que nunca deixaram de a amar, que nunca a abandonaram, dos amigos dos seus netos que lhe chamavam também avó Nita e também da vizinha Maria, uma irmã, uma enfermeira, uma amiga para quem não temos palavras suficientemente fortes que expressem o agradecimento que ela merece. A nossa vizinha Maria, e eu sei que ela acredita nesse destino, tem o Céu à sua espera.
Por outro lado, a Nita sabe que, enquanto o último de nós por cá andar, o seu nome, a sua memória e a memória do seu querido Valério continuarão vivos e eternos na história da nossa família e nas histórias de todos os amigos, e foram muitos, mas muitos, a quem eles fizeram bem. E vão todos eles, os quatro e o avô Tony, a continuar nos nossos almoços de família e a serem recordados com saudade nos seus aniversários e nos aniversários de todos nós.

Há, no entanto, algumas pessoas que, pela sua formação, continuam a preferir criar abismos em vez de pontes, escavar valas profundas e quase intransponíveis em vez de estradas direitas onde todos pudéssemos caminhar lado a lado, com as nossas diferenças, mas com os pontos comuns que ainda nos ligam. Todos nós vivemos este tipo de experiências, porque não há famílias perfeitas. Todos sentimos que o Mal e o Bem residem mesmo ao lado um do outro mas que, como forças eternamente antagónicas e irreconciliáveis, afastam qualquer possibilidade de diálogo e atiram para cada vez mais longe a solução do que poderia ser solucionável.

Ninguém foge ao que a vida lhes vai, aos poucos, preparando. Melhor: todos se deitarão na cama que fizerem e só a eles lhes poderá ser pedida a responsabilidade dos seus actos. Os santos estão nos altares e alguns, provavelmente, com uma boa parte da sua santidade aberta à discussão, mas nós, os humanos, nós não somos santos. Por isso, desconheço as minhas penalizações e as minhas recompensas quando um dia, como a Nita, partir para sempre. Não sei quem irei encontrar no outro lado da vida, nem estou muito interessado, por agora. Sei, no entanto, que o poeta, já preocupado com as atitudes, tantas vezes incompreensíveis dos mais velhos, desabafou numa frase, aparentemente inocente:

“Que quem já é pecador
Sofra tormentos, enfim!
Mas as crianças, Senhor,
porque lhes dais tanta dor?!…
Porque padecem assim?!…”

Não há bons nem maus nesta vida. Há gente que vive de acordo com as circunstâncias, lidando com a própria dor, com a incapacidade intelectual de procurar soluções para o bem estar dos que lhes estão mais próximos, ao mesmo tempo que fomentam a divisão e a violência, gozando, aparentemente felizes, do alto da sua importância o sofrimento que vão causando. Como dizia tantas vezes a minha Mãe, saudosa e muito amiga da sua comadre Nita: “Há mais marés que marinheiros e, acredite, comadre, este género de pessoas, se não lhes dão a mão, acabarão sozinhas, desprezadas e inúteis para sempre.”

Hoje, o Valério e a Nita já se reencontraram. Queremos acreditar assim, para que tudo se torne menos doloroso e mais pacífico. Por isso, acreditamos que já se encontraram, já se beijaram e já deram as mãos para todo o sempre. E cremos que as dores, todas as dores, ficaram por cá, para que sejamos nós, agora, a suportá-las por eles, depois do seu merecido descanso.
Acreditamos também que o tempo tudo cura, tudo muda, tudo mata, tudo leva e tudo recupera.

Feliz Natal a todos os que leram este texto, a todos os que não o leram e a todos os que fingiram que não o leram.


João Luís Nabo

In "O Montemorense", Dezembro de 2016


quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Pose de Estado



Sim, ando pelo Facebook para escrever o que me parece que devo, para provocar discussões, para dar recados, para abraçar amigos e para despachar os que pensam que o são mas não o são. Mas isso sou eu, que não tenho qualquer responsabilidade política na minha cidade e no meu concelho. Porque se eu tivesse responsabilidade política na minha cidade e no meu concelho, não utilizava o Facebook para defender posições que, decerto, deveriam ser defendidas em sede própria, nem para divulgar questões de teor pessoal sobre a família e os amigos, provocando, tantas vezes, momentos de constrangimento a quem lê, muito menos para questionar adversários políticos sem que eles possam reagir num ambiente franco e transparente, como se pretende que sejam os ambientes de troca de ideias, ou até para acusar e defender a esmo pessoas e ideologias, sem medir as consequências políticas de tais desabafos. Se eu tivesse essas responsabilidades políticas, não usaria esse veículo como jornalinho pessoal, para espalhar intrigas, escarafunchar questiúnculas, reabrir feridas, espalhar desamores como se eu fosse um cidadão comum, iguais aos demais, sem responsabilidades políticas na minha cidade e no meu concelho.
Se há uma questão que alguns políticos da nossa cidade ainda não entenderam, após tantos anos de democracia e de governação livre, é a necessidade de uma atitude de estado. E parece-me que, com os exemplos dados todos os dias pelo actual Presidente da República, não é tão cedo que o vão entender.
À vontade não é à vontadinha e mais vale cair em graça do que ser engraçado, já me dizia o meu velho e saudoso Pai, sempre atento e amigo,


João Luís Nabo

In "O Montemorense", Novembro de 2016

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Trumpstein




O povo americano já não nos pode surpreender mais. Quem deixa de torturar e matar negros para os transformar em presidentes da sua grande nação pode, muito bem e sem qualquer justificação, agarrar num indivíduo carregado de defeitos e sentá-lo na Sala Oval, porque o acha merecedor de tal distinção e responsabilidade.
A linha que a sociedade nos manda traçar para dividirmos o Bem do Mal, anulando assim, inequivocamente, a possibilidade de ambos se misturarem, nunca foi clara na sociedade americana. A sua literatura, ainda que herdeira de fortes influências europeias, mostra-nos, e aqui sim, claramente, que o espaço americano, pela sua amplitude e diversidade, pode permitir tanto a um habitante de Nova Inglaterra ou de Massachusetts, com um passado histórico de caça às bruxas (literalmente), como a um cidadão, distante e isolado, dos estados do Nebrasca ou do Arcansas, de espírito livre e mais ligado à natureza, mas não impeditivo de atitudes-limite, a vivência de duplicidades que só se tornam compreensíveis se as entendermos à luz de comportamentos borderline, comummente generalizados como esquizofrénicos ou bipolares.
Donald Trump lembra-nos precisamente algumas personagens com estes atributos, saídas de romances de Bret Easton Ellis – vítimas de um novo-riquismo que lhes permite os excessos e que, ao mesmo tempo, as atira para um espaço onde a mitomania (a capacidade de acreditar nas suas próprias mentiras e nos seus projectos megalómanos) as torna ainda mais assustadoras aos olhos dos outros – ou de Edgar Allan Poe, onde a luta constante com a sua própria consciência as transforma em seres alienados e capazes de qualquer loucura contra eles próprios ou contra os outros.
O novo presidente da nação mais poderosa do mundo, diz-se, apresentou-se como um indivíduo contra o status quo. Contudo, e paradoxalmente, as suas atitudes, palavras e maquinações acabam por roçar o ridículo pela incredulidade que provocam nos que o escutam. Por outro lado, esses terríveis planos de Trump levam-nos a pensar que é urgente que um qualquer super-herói esteja alerta, na tradição dos mais competentes vigilantes da Marvel, pronto para entrar em acção, de modo a impedir a concretização de tais ideias. Estas parecem vindas de um verdadeiro ditador dos tempos da Segunda Grande Guerra ou de um general alucinado, que tenha passado a maior parte da vida escondido, na clandestinidade, com os seus guerrilheiros numa floresta esconsa da América do Sul.
Se Trump leu Ellis, Poe ou mesmo Hawthorne, terá decerto encontrado traços comuns entre si próprio e as conflituosas e sofredoras personagens destes génios americanos. No entanto, se o novo chefe do mundo se atrever a ler um certo e muito célebre romance da literatura gótica inglesa, poderá concluir que ele próprio, no calor dos seus discursos e nas contradições constantes da sua vida, poderá não passar de uma criatura construída por si próprio e pelos media, com pedaços de vivências de si e de outros que o tornam num todo misto, grotesco e vivendo numa insuportável e angustiante ausência de paz.
Afinal, a Criatura de Victor Frankenstein só precisava de um pouco de compreensão e carinho. Tal como Mary Shelley, sua virtuosa e verdadeira criadora.


João Luís Nabo

In "O Montemorense", Novembro de 2016

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Estudantes Juniores




Os alunos não são todos iguais. Ainda que tenham a mesma idade, uma origem familiar comum ou vivam na mesma rua. Muito menos iguais são os de diferentes faixas etárias e, consequentemente, com interesses muito diversos. Por isso, um aluno com onze anos não pode ser tratado como se tivesse dezassete, nem vice-versa. Não resulta. Nem em termos académicos, nem em termos de afectividade e cumplicidade, tão necessárias em contexto de sala de aula. 
Nem sempre é fácil para um professor, mesmo com alguns anos de experiência, entender essas diferenças: ou por cansaço ou por insensibilidade ou por questões de feitio. Mas elas estão lá, de forma visível e à nossa espera todos os dias, no decorrer do ano lectivo. O entusiasmo que nos guia, bem como os objectivos essenciais da nossa prática lectiva é, quase sempre, cumprir o programa do ministério e dar as mesmas oportunidades, de forma igual e indiferenciada, a todos os alunos de uma mesma turma. Julgamos, assim, estarmos a dar visibilidade a um ensino justo e equitativo. Nada mais errado. Muito menos nos tempos que correm, com turmas onde existem alunos de diferentes raças e etnias, com origens familiares diversas e, tantas vezes, problemáticas. Para não desenvolver aqui a temática da inclusão, necessária, democrática e obrigatória para crianças com necessidades educativas especiais.

Porque todos somos diferentes e todos temos limitações da mais diferente espécie, espero que nunca ninguém, arrogando-se de pedagogo iluminado e epifânico, decida fazer-me um exame prático de futebol, de ballet ou mesmo de mandarim. Sem as devidas ajudas especializadas e personalizadas… é óbvio que vou reprovar em todas as provas e que serei considerado um aluno com sérias dificuldades de aprendizagem.


In "O Montemorense", Outubro, 2016

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Estudantes Seniores


Foto: Conceição Carneiro

Não se tem falado por aí além de um grupo que ultrapassou já as paredes onde germinou e que é hoje um fenómeno sócio-cultural com raízes e que não deixa ninguém indiferente. A Universidade Sénior do Grupo dos Amigos de Montemor, que teve início há mais de uma década com o nome de Estudos Gerais, é, nos dias que correm e no panorama cultural da cidade, muito mais do que a soma dos elementos que a formam.
Porque tenho lá muitos amigos, professores e alunos, sei da pureza dos seus objectivos e da riqueza das suas intenções. O partilhar de experiências de vida, a aprendizagem nos mais diversos campos do saber (História, Património, Literatura Portuguesa, Teatro, Música…) e o sentido que tudo isto continua a dar à existência de cada um deles substitui, de forma inteligente e prática, a velha ideia de que os mais velhos nada mais podem aprender e, pensamento ainda mais grave mas que continua a arrastar multidões, nada vale a pena depois de uma certa idade.
Não serve este pequeno apontamento para listar as dezenas de actividades em que a Universidade Sénior se envolve, cruzando os seus saberes com outras instituições da cidade e de outros pontos do país, mas há que destacar os elementos da Tuna que, ao dividirem em dois os seus afazeres, conseguem representar peças de teatro de alguma complexidade e cantar afinadamente, com graça e brilho, nos concerto em que participa.
Não sei de forma concreta, nem poderei saber, o que poderão sentir esses alunos/actores/cantores/músicos/construtores de instrumentos, quando fazem tão bem o que nos mostram. Mas calculo que, depois de cada aula, de cada concerto ou récita, se sentem mais felizes, cultural e socialmente mais úteis e motivo de orgulho para os amigos, filhos e netos que os aplaudem generosamente. Sim, depois de certa idade é tempo de sermos pais cada vez mais presentes, avós imprescindíveis, maridos e mulheres de uma vida. Porque os novos tempos isso exigem. Mas também é tempo de reviver, de recuperar, de renascer, de afastar o que nos preocupa, num processo contínuo e sem fim. E é isso, sobretudo isso, que faz correr Vítor Guita e os outros professores que com ele formam equipa, disponíveis, preocupados, conscientes, pedagogos q.b. e orgulhosos dos frutos da sua obra.
         Querem saber os motivos desta minha admiração por todos eles? Se não tivesse, porventura, chegado há muito tempo a essa conclusão, bastaria a extraordinária participação do grupo na mais recente encenação de Vítor Guita do “Novo Entremez”, de Curvo Semedo, para perceber que a vida das pessoas não termina com a aposentação. Muitas vezes, é aí que ela recomeça.
O importante, dizia alguém, não é a meta, é o caminho até lá… Neste caso concreto, acreditem, é tudo importante, sobretudo o Amor. Pelas Pessoas, pelo Saber, pela Arte.

In "O Montemorense", Outubro, 2016

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Eu tive um sonho



           

           Eu tive um sonho. Sonhei que a nossa História recente nos deixaria exemplos que não iriam ser repetidos. Sonhei que não haveria mais ditadores, tortura e assassinatos massivos de inocentes. Sonhei que seria impossível morrerem milhares de fugitivos nas águas do Mediterrâneo. Sonhei que o mesmo Homem que conquistou o Espaço seria capaz de curar o cancro e a Sida. Sonhei que, num futuro a que se chamaria a Era das Comunicações, as pessoas conhecessem os vizinhos da porta ao lado.
            Eu tive um sonho. Sonhei que, depois de décadas de miséria, exploração, obscurantismo, prisões e guerras em África, jamais voltaria a haver crianças com fome, bairros de lata, trabalhadores explorados, desempregados, presos injustamente, serviços secretos e guerras noutras áfricas. Sonhei que todas as crianças tivessem uma família que as amasse e respeitasse e que todas as famílias dessas crianças tivessem dinheiro para comprarem os livros escolares aos seus filhos e netos e que o Estado não fizesse letra morta do que está instituído – um ensino livre e gratuito para todos.
            Eu tive um sonho. Sonhei que, no meu país, todos os homens e mulheres seriam tratados de igual forma perante a lei e que todos teriam de responder pelos seus actos, independentemente das suas posses e influências.
            Eu tive um sonho. Sonhei que o meu país seria sempre conduzido por políticos responsáveis, sérios e dignos da confiança de todos nós e que a Justiça fosse uma segurança e não uma ameaça.
            Eu tive um sonho. Sonhei que, um dia, os campos à volta de Vila Nova, outrora cenários de sofrimento e exploração, se transformariam em espaços fecundos onde proprietários e trabalhadores unidos trabalhavam a terra e a tornavam próspera, livre e prenhe de vida. Sonhei que os comerciantes desta terra tivessem capacidade para viver com dignidade dos seus negócios, apesar da implantação das grandes superfícies comerciais e da fuga de clientes para o litoral.
            Eu tive um sonho. Sonhei que, um dia, todos os que procurassem emprego seriam aceites  de forma justa e isenta, independentemente da sua cor política, da origem familiar, da sua raça ou religião, ou mesmo do seu passado, e que o seu carácter e capacidade fossem bens inalienáveis e os primeiros requisitos a ter em linha de conta para o cumprimento das suas funções.
            Eu tive um sonho. Sonhei que um dia, os anos de eleições autárquicas não seriam apenas tempo para inaugurações apressadas, visitas às instituições de Vila Nova pelos vários partidos políticos, com promessas que nem sempre são cumpridas, e operações de charme com muitas fotos, sorrisos e abraços.       
            Sonhei que, um dia, os que governam Vila Nova e o concelho acabariam, aos poucos, por largar as cores dos seus partidos, de forma a servirem, completamente livres e em equipa, o povo que os elegeu, de modo a salvaguardarem o bem-estar e a felicidade de todos vilanovenses.  Sem sentirem as pressões dos compromissos partidários, das disciplinas de voto, dos segredos, das vaidades pessoais, dos preconceitos e dos golpes palacianos.
            Eu tive  um sonho. Sonhei que os meus filhos e todos os filhos da minha terra teriam a oportunidade de ter um futuro em Vila Nova, a terra que os viu nascer e crescer, com empregos estáveis e duradouros, para poderem fixar aqui a sua vida e a vida dos nossos netos. Sonhei, também, que seria possível atrair empresas, indústrias, investidores para esta terra de gente boa e estrategicamente localizada.
            Eu tive um sonho. Sonhei que um dia todos seríamos livres de expressar as nossas opiniões, independentemente da hora e do momento, sem pressões nem medos, nem constrangimentos de qualquer espécie. Sonhei, por fim, que as críticas construtivas seriam aceites de peito aberto e utilizadas para melhorar, dia após dia, a dedicação de todos nós ao bem público e a Vila Nova.

            O sonho de Martin Luther King continua por cumprir e ele pagou com a vida a sua ousadia. O meu continua vivo e cheio de esperança.
            Eu tive um sonho.
            Eu tenho um sonho.


In "O Montemorense", Setembro de 2016

quarta-feira, 20 de julho de 2016

"Contra os canhões marchar, marchar!"


Pronto, pronto, depois de uns dias de exagerada maluquice patriótica, regressámos muito mais animados à Terra, planeta demasiado pequeno para conter a euforia pela vitória da Selecção Portuguesa no Campeonato da Europa de Futebol. Não vale a pena repetir o que tanto se escreveu nas redes sociais e noutros media, antes e depois da vitória. Os descrentes, os más-línguas, os detractores acabaram por calar o bico, alinhando com os demais, desfraldando bandeiras, gargalhando e gritando felizes como se fossem donos do mundo.
Conclusão: somos um país unido, firme e crente e ainda com um certa mania que nos ficou do falecido Império. Mas só se os temas forem futebol, futebol ou futebol. Qualquer destes fenómenos, que eu respeito e acompanho sempre que possível, move multidões (e milhões de euros) arrancando do mais fundo de nós uma força sobre-humana para lutarmos... contra outras equipas de futebol ou para, como peregrinos nesta Terra mal frequentada, pedirmos às entidades divinas o que as terrenas se mostram incapazes de nos garantir. (Foi o que fez Fernando Santos.) Enfim, sempre foi assim e sempre assim será.
Para os políticos de passagem (estamos todos de passagem), esta coisa do futebol, da vitória contra a França e má-na-sê-quê foi ouro sobre azul, sendo a manobra de diversão mais a jeito que jamais poderia ter acontecido. Costa e Marcelo (mais uma vez), dançando ao som da alegria lusa de sermos campeões, pensaram enquanto cantavam desafinadamente o hino pela 124.ª vez: “Deixem lá que na Terça, dia 12, já vão ver como é.”
E foi. Os senhores da guerra financeira reuniram e decidiram aplicar sanções a Portugal e a Espanha. Como era de esperar. Vamos, novamente, sofrer na pele as dramáticas consequências do roubo que a alta finança nos fez durante anos, sem nunca termos dado por isso. Estamos quase a ser reesmifrados, rechupados, reassaltados e com a nossa pouca dignidade transformada em restos, triturados e lançados aos porcos. Sócrates já o tinha feito. Passos já o tinha feito. E, na senda da tradição (Portugal é um país de tradições), Costa não vai deixar quebrar a linha.
Mas o que é vermos os nossos salários cortados, o tempo de reforma a diminuir, os nossos trabalhadores a serem explorados, os professores a serem transformados aos poucos em empregados de escritório, os alunos a passarem sem saberem escrever uma linha sem erros, os jovens em desespero a emigrarem com um diploma na mão... o que é isso, e muito mais, comparado com a dor de Ronaldo em lágrimas, com a fé de Fernando Santos, com o pontapé certeiro de Éder? Com os emigrantes em bloco, em pulgas, adorando, idolatrando, sofrendo pelo onze maravilhoso? O que é isso comparado com as “guerras” medievais entre o azul/branco e o vermelho/verde, entre lusos e gauleses, afinal de contas tanto uns como outros a penarem os sete penados por causa do mesmo?
Não saltaste por causa do futebol? Saltei. Não dançaste, feliz com a vitória? Dancei. Não gritaste quando Éder meteu o golo? Gritei.
Mas em cada salto, em cada passo de dança, em cada grito estava também, ainda que disfarçada, a temerosa expectativa em relação ao futuro do meu país. E esse futuro não passa pelo futebol nem pela fé de Fernando Santos. Passa por nós, Lusitanos, que nos estamos, hoje e sempre, per omnia seculorum, a marimbar para o nosso bem estar, para a nossa qualidade de vida e para deixarmos aos vindouros um país a sério.
Agora que sossegámos, agora que o pó da euforia baixou, canalizemos as nossas energias para marcharmos “contra os canhões”, de modo a, de forma patriótica e consciente (e consciente!), enfrentarmos os que, continuamente, nos querem fazer mal. A nós, aos nossos filhos e aos nossos netos. Por isso, toca a “marchar, marchar!” e deixemo-nos de fantasias.
Graus de Comendador como eu todos os dias ao pequeno-almoço. E tenho ficado exactamente na mesma.


In "O Montemorense", Julho de 2016

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Sangria é o meu nome do meio (confessa a fofa)




Montemor vai entrar em modo de Verão. Bares e restaurantes já começaram a montar as esplanadas e já se fizeram as encomendas para as sardinhadas que aí vêm, regadas com boa sangria e com ainda melhor disposição. A fofa tornou-se ultimamente uma adepta fervorosa da sangria e já me prometeu um périplo pela cidade, assim numa espécie de prova científica que, tenho a certeza, vai acabar menos bem. Mas, depois de um ano de trabalho arrasador, ela bem merece umas distracções gastronómicas, pretexto para reencontrarmos amigos, trocarmos ideias sobre tudo e sobre nada e dar umas boas gargalhadas, tendo sempre por cenário a noite montemorense, momento ideal e imperdível para se tirarem as máscaras profissionais, sociais, políticas, académicas e burocráticas. Porque à noite não é necessário fazer teatro, porque tudo é mais fácil e porque as pessoas são mais simpáticas. Montemor vai, por isso, ter de arranjar entretenga para os montemorenses, e outros apaixonados pela nossa cidade, que decidam passar por cá os meses de Verão. Porque são estes que vão investir na economia local. E dinheiro gera dinheiro. E o dinheiro dá mesmo felicidade, por muito que alguns finjam acreditar no contrário.

In "O Montemorense", Junho de2016

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal